Economia

Empresas terão crédito de R$ 8,6 bilhões para investir em Manufatura Avançada

Boa notícia para os empresários brasileiros que buscam investir em Manufatura Avançada. O governo federal acaba de lançar no Fórum Econômico Mundial, realizado no último dia 14 de março em São Paulo, um pacote de incentivos à modernização do parque fabril brasileiro para estimular a adoção às novas tecnologias desse novo conceito, como impressão 3D, inteligência artificial e Internet das Coisas.

O programa tem como objetivo destinar até R$ 8,6 bilhões em financiamentos a empresas e zerar a alíquota de importação de robôs. O pacote começou a ser discutido após a constatação de que a Manufatura Avançada (também chamada de Indústria 4.0) é responsável por uma nova revolução industrial em escala global, enquanto o Brasil não aproveita as possibilidades já existentes. Ao longo de, ao menos, nove meses de discussão, com mais de 50 entidades, o governo federal concluiu que os incentivos são necessários para ajudar empresas a acelerarem a adoção das tecnologias para aumentar a produtividade e eficiência.

Apesar das diferentes medidas incluídas no pacote, os financiamentos representam o principal estímulo. Algumas linhas estarão disponíveis de imediato, mas em até 90 dias todas serão disponibilizadas. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) será responsável por R$ 5 bilhões em crédito. A Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), por sua vez, concederá R$ 2,5 bilhões usando a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) mais até 1,5% ao ano. Já o Banco da Amazônia (Basa) vai fornecer R$ 1,1 bilhão, com taxas de 4,5% a 6,5% ao ano.

Segundo levantamento da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), a estimativa de redução de custos industriais no Brasil com as possibilidades 4.0 será de, no mínimo, R$ 73 bilhões ao ano. Essa economia envolve ganhos em itens como eficiência (46% do total estimado), redução nos custos de manutenção de máquinas (42%) e consumo de energia (cerca de 10%).

*Com informações do Valor Econômico

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *