Saiba como acertar no planejamento de crédito para pequena e média indústrias

Conseguir crédito em bancos públicos e privados é uma tarefa das mais difíceis para os industriais brasileiros. Não bastassem as taxas cobradas sobre a tomada de dinheiro, ainda jogam contra a burocracia imposta e as informações desencontradas. O descontentamento com esse cenário está registrado na última Sondagem Industrial de 2015, feita pela CNI (Confederação Nacional das Indústrias), em que o índice de acesso ao crédito chegou a 30,5 pontos no último trimestre do ano passado, numa escala em que 100 representa facilidade. Em contrapartida, é compreensível que o credor peça documentos que afastem ao máximo o risco do empréstimo.

Diante do empasse, o melhor é organizar toda a papelada necessária para pedir financiamento aos projetos. E não pode faltar coerência nos dados apresentados para atender as exigências bancárias, alerta Milton Bogus, diretor titular do Departamento da Micro, Pequena e Média Industrias da FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo). “É importante que possam ser comprovados e sustentados no decorrer do tempo”, afirma. Leia, agora, três dicas para encurtar o caminho ao financiamento nas indústrias de pequeno e médio porte.

Planeje
A melhor ferramenta de acesso ao crédito é o orçamento financeiro da empresa, em que o empresário tem antecipadamente suas necessidades de capital mapeadas no decorrer do tempo e, a partir de uma análise profunda, decide a negociação mais viável. Outros pontos importantes são os relatórios gerenciais e contábeis, que colaboram e muito para esse planejamento. “Todas essas informações, em conjunto com as demandas dos produtos comercializados e as necessidades de custeio da empresa, formam o plano de negócio e viabilidade”, explica o especialista.

As informações colhidas permitem mostrar em detalhes as necessidades de caixa no decorrer do tempo de financiamento. Lembre-se: as garantias que mais chamam a atenção são aquelas que podem ter seu valor facilmente comprovável e de grande liquidez.

É importante que todos os dados possam ser comprovados e sustentados no decorrer do tempo

Junte a papelada
Há uma lista dos documentos imprescindíveis para solicitação de crédito, que pode variar de acordo com o credor, o segmento de mercado da indústria e o prazo de financiamento.

• Cadastro da empresa atualizado;
• Cadastro dos bens da empresa atualizado;
• Cadastro dos sócios da empresa atualizado;
• Balanço da empresa nos últimos três anos;
• Declaração de imposto de renda dos sócios nos últimos três anos;
• DRE (Demonstração de Resultados de Exercício) dos últimos três anos;
• Certidões negativas de débitos de tributos de forma geral;
• Certidão negativa de débitos trabalhistas,
• Certidão negativa de débitos junto ao INSS.

Some à lista, a solicitação de crédito com projeção de faturamento para os próximos anos (pode variar de um a cinco anos, dependendo do tipo de financiamento), o plano de negócios ou o plano de viabilidade econômica financeira do negócio e do financiamento, a relação do tipo de equipamento a ser financiado, a origem e a finalidade do projeto e, por fim, as garantias disponíveis para o financiamento.

Fato relevante é a necessidade prevista em lei da comprovação de não haver inadimplência junto ao fisco para que os bancos públicos possam realizar operações de crédito. “A obtenção dessas certidões se mostra um obstáculo grande para a tomada de crédito juntos aos agentes financeiros públicos, mas o bancos privados não são obrigados a solicitarem todas as certidões.”

Atualize dados
Alicerce do financiamento e como tal pode avançar ou atravancar todo o processo, os dados cadastrais precisam estar permanentemente atualizados junto aos agentes financeiros e também nos controles internos. Além disso, é prudente atuar antecipadamente a necessidade de recursos, tendo assim tempo hábil para escolher e viabilizar seus financiamentos.

Compartilhe nas redes sociais!