FEIMEC rompe paradigmas e exibe a esperança na recuperação da indústria

Presidente do Conselho de Administração da ABIMAQ, Carlos Pastoriza comentou, ao abrir os discursos de inauguração do evento, que a FEIMEC rompe paradigmas e o primeiro deles é a mudança da indústria para o São Paulo Expo. Mostra na prática o funcionamento da indústria inteligente, e a audácia da indústria de realizá-la num momento crítico de crise como o atual. “A GL Events investiu perto de meio bilhão de reais no projeto, nosso parceiro Informa acreditou e apostou no projeto, a ABIMAQ bancou contrariar interesses e os expositores ousaram”, disse Pastoriza. “Bem-vindos ao futuro”.

Milton Rezende, presidente da ABFA – Associação Brasileira da Indústria de Ferramentas, Abrasivos e Usinagem, lembrou da longínqua relação entre as máquinas e as ferramentas na história da Humanidade, e destacou a importância de apoiar uma evento como a FEIMEC.

Os promotores fizeram uma justa homenagem a Evaristo Nascimento, que dedicou 40 anos às feiras setoriais e foi um dos responsáveis pelo projeto FEIMEC sair do papel. Robson de Andrade, presidente da CNI – Confederação Nacional da Indústria, observou que a indústria brasileira de transformação representa 9% do PIB, e que somada à de mineração e construção civil chega a 14% do PIB. Já foram, segundo ele, 26%. “Isso aconteceu por uma série de erros na condução da política econômica e fiscal do governo”, explicou. Mas a prova de que a indústria é maior que a crise é a própria realização da FEIMEC, disse, numa comprovação de que a indústria acredita no futuro.

Representando o ministro Armando Monteiro, do MDIC, Marcos Vinícius de Souza disse que há dois anos o governo passou a estudar a indústria avançada, e que este ano vem realizando workshops pelo País debatendo estratégias com especialistas. Na FEIMEC acontece a primeira e exclusiva demonstração de Manufatura Avançada no Brasil. Conhecida também por Indústria 4.0, Indústria do Futuro e Fábrica Inteligente, a Manufatura Avançada é considerada a quarta revolução industrial e representa a interação, autônoma e inteligente, entre sistemas de fabricação automáticos complexos.

Durante os cinco dias da feira, a fábrica inteligente produzirá cerca de 250 unidades customizadas de um acessório para escritório que une as funcionalidades de porta-lápis e porta-celular. O processo dispõe do que existe de mais moderno em tecnologia industrial e comprova que as fabricas brasileiras têm condições de aderir à Manufatura Avançada no curto prazo.

Com investimentos de R$ 5 milhões e envolvimento de 24 empresas, 150 profissionais entre técnicos e engenheiros, diversas entidades e seis meses para a sua realização, a Manufatura Avançada na FEIMEC 2016 foi viabilizada pela ABIMAQ, que agregou todos os setores envolvidos, firmou as parcerias e buscou

o patrocínio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES e da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial – ABDI, Desenvolve SP.

O deputado Alceu Moreira, da frente parlamentar da indústria, observou que indústria fechada não paga imposto, salientando que a carga tributária já chega a 40% do PIB. Segundo ele, está na hora da indústria entrar no parlamento. “Queremos parceiros como o Canadá, e não como Cuba, Bolívia e Venezuela”, disse arrancando aplausos.

Compartilhe nas redes sociais!