A Voz da Indústria faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

O divórcio da Indústria com o Conhecimento

Indústria e conhecimento.png
Acompanhe a relação entre indústria e o conhecimento ao longo do tempo e as recomendações do Prof. Andreassa para um caminho mais colaborativo na formação de profissionais

Um dia já estiveram felizes juntos. Tiveram até belos filhos e na década de 1980, a indústria já representou 34% do PIB. O tempo passou e parece que a rotina destruiu mais este casamento. Hoje, a indústria representa parcos 11% (dados de 2020). Mas proponho romanticamente uma receita para recompor este casamento. Mas o nobre leitor encontrará apenas no final.

Armadilhas do conhecimento

Com isto também houve o empobrecimento do conhecimento. Uma fábrica é um ambiente cheio de armadilhas peçonhentas. É preciso de matemática, pois vários são os controles, incluindo o estatístico. Boa comunicação no idioma nativo e até inglês. Conhecimento de fenômenos da física e da química.

Segundo a The Economist, palavras de Rafael Cagnin da IEDI (Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial), “O Brasil é o pior exemplo de desindustrialização prematuro do mundo”. Os trabalhadores mudaram para empregos de serviços de baixa qualificação, em vez de empregos de alta tecnologia e qualificados.

Ter cursos de engenharia sem um parque industrial com laboratórios e oficinas que deem continuidade a construção do conhecimento e geração de recursos é ter um cortador de grama no deserto. A pergunta fundamental é: como e para que servem universidades de engenharia em um desolado parque industrial? Não cresce o engenheiro, nem floresce a empresa. Quem nasceu primeiro, o ovo ou a galinha, quem vem primeiro, a indústria ou os cursos técnicos e de engenharia? Surgem juntos é a resposta certa, caro leitor.

Vale do Silício pode ser aqui

O Vale do Silício não surgiu apenas pela HP e outras famosas empresas com Intel, Apple etc. Lembro vocês que Stanford estava lá desde 1885. A lâmpada elétrica foi criada em 1879 apenas para nos referenciar no tempo.

A formação do engenheiro, e de outras profissões também, apenas se completa quando, uma vez formados, seguem para o mundo real e são expostos a situações complexas que se distanciam dos exercícios bem-comportados do mundo acadêmico. Nem estágio, nem TCC, nem competições acadêmicas conseguem mostrar a crueza do mundo real, tão fundamental para sedimentação do conhecimento. Por sua vez, uma empresa sem tecnologia e conhecimento destes engenheiros e engenheiras vive a sombra e dependência de uma benevolente globalização.

Indústria em busca da alma

As empresas brasileiras estão despertando tardiamente para a competição global. Como dizia Peter Drucker há muito tempo, não importa onde você esteja, hoje você está sempre competindo globalmente. O que você faz aqui, algum chinês ou indiano ou outro, está fazendo muito bem e barato. E veja que Peter Drucker não viveu para ver a pandemia onde a crueldade da globalização foi muito mais exposta. Quando você dá alguns cliques no seu App de compras, não sabe de onde está vindo seu objeto de desejo. Todos nós alimentamos a competição global, e estamos golpeando duramente nossa própria indústria muitas vezes. E não se trata de ser a favor de barreiras artificiais protecionistas que jamais levaram país algum a excelência de produção. Trata-se de ter seus produtos com preços e qualidade competitivas nos Apps de compras.

Universidade em busca da alma

O que quero dizer é que cursos cinco estrelas das universidades brasileiras não serão capazes de evitar nossa jornada ladeira abaixo. Além de bons cursos, precisamos das indústrias ao redor com vontade de inovar e criar, em todos seus tamanhos e organizações, pois o término do curso de engenharia se concretiza no ecossistema. É de lá que vem o derradeiro e verdadeiro diploma. Mestrados, doutorados e pós-doutorados não substituem a vida real. Somam, mas não substituem.

É bem verdade que o engenheiro pode ir para várias outras áreas. Mas é uma opção e não a regra. Você não fica em laboratórios de mecânica de fluidos, eletromagnetismo, mecânica, termodinâmica, etc., para depois ir trabalhar em um banco, em uma fintech e afins. Até pode, mas a formação não é primordialmente para isto. 

Continuo na minha opinião e ainda me expondo a inevitáveis críticas: cursos de engenharia com foco em gestão são importantes, mas a gestão não deve substituir as raízes do conhecimento. A desindustrialização gerará um vácuo de gestão. Engenheiro vai gerir o quê se não mais existir indústrias? Gestão do quê? 

Santo casamenteiro

Portanto, a receita para reatar este casamento, na minha visão seria:

  1. A importância do ecossistema. Todos são importantes para dar vazão e permitir o real término da formação do engenheiro. Políticas governamentais fazem parte, mas não se restringe apenas ao estímulo à indústria. É preciso apostar na tecnologia. A cada dia que não fazemos esta aposta, estamos mais distantes da arena global.
  2. Estágios, TCC, competições universitárias emulam o mundo real sem, contudo, desenvolver as habilidades socioemocionais tão importantes para a sobrevivência do empreendedorismo e do mundo corporativo.
  3. Ciência e tecnologia é física, química, matemática na veia. Aplicação, gestão ou qualquer termo da moda não substitui o trabalho duro de compreender a ciência e de como transformá-la em tecnologia.

Leia também: 7 dicas para atrair e manter os melhores talentos na indústria

TAG: Gestão
Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar