A Voz da Indústria faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Como escolher a prensa industrial

Como escolher a prensa industrial ideal?

Presente em praticamente todos os tipos de indústria, a prensa é um maquinário fundamental. Disponível em muitas versões, saber escolher a prensa industrial pode ser um desafio. É preciso conhecer suas características, para compreender qual melhor se adapta com o segmento e a finalidade laboral.

Para ajudá-lo, confira a seguir algumas informações sobre cada prensa. Assim, será possível escolher a prensa industrial mais adequada para a sua necessidade.

Como escolher a prensa industrial: conheça os tipos e aplicações

1. Prensa hidráulica

A prensa hidráulica tem a sua movimentação feita por um líquido. Normalmente, trata-se de óleo sob pressão, que fica armazenado em um reservatório. Um conjunto motobomba gera pressão e inicie o funcionamento do equipamento.

Para controlar a prensa, o operador conta com um comando hidráulico que direciona o óleo para um cilindro. Esse cilindro é responsável pelos movimentos de descida e subida. Na descida, o óleo é enviado para a parte superior do cilindro hidráulico, enquanto o da parte inferior é direcionado para o tanque. Já na subida, é enviada pressão de óleo para a parte inferior do cilindro, enquanto o óleo da parte superior é direcionado para o tanque.

2. Prensa mecânica

A prensa mecânica possui essa denominação por contar com um motor elétrico e um volante para ser acionada. Este pode ser definido como uma roda de ferro de grande diâmetro e, por consequência, grande massa.

Ao ser acionado, o motor elétrico movimenta o volante que, por sua grande massa, armazena essa energia. O volante gira o mecanismo responsável pelo movimento de descida e subida, transferindo a energia armazenada.

3. Prensa servo-acionada

Em uma servo-prensa, a corrediça se comporta como um eixo de controle numérico. Ela recebe esse nome por ser acionada por um motor elétrico de alto torque. A diferença desse motor é a forma de controle, que pode ser programada para diversos valores de torque, velocidade e sentido de rotação. Isto garante economia de energia e versatilidade de trabalho, permitindo incrementos significativos na produtividade.

As prensas e sua utilização

Na hora escolher a prensa industrial, é importante ter em mente que cada uma delas apresenta uma utilização específica. Por isso, escolher a prensa industrial que melhor se adapta com o seu segmento industrial requer atenção.

As prensas mecânicas, por exemplo, são recomendadas para indústrias que buscam alta produção com economia de energia. Além disso, servem para os perfis de indústria que conseguem implementar facilmente sistemas automatizados.

Já a prensa hidráulica é versátil, capaz de fazer qualquer peça. Porém, devido à alta demanda de energia, sua principal aplicação na indústria é para o repuxo profundo ou para a realização de tryouts.

Nesse contexto, as servo-prensas entram como alternativa às prensas mecânicas e hidráulicas. Isso porque possuem características dos dois tipos de máquina, com a vantagem de serem mais econômicas.

Para que o proprietário da indústria identifique a melhor prensa para suas necessidades, é preciso entender sua capacidade de produção. É o que explica o coordenador do Curso Técnico em Mecânica no Sistema Fiep, Sander Costa Pinto. “Tudo está intimamente ligado à capacidade de produção desejada, às demandas de mercado, ao tamanho do parque fabril e à intenção de automatização dos processos de produção”, conta.

O coordenador complementa afirmando que “uma análise prévia e descuidada pode concluir que as servo-prensas são as melhores opções do mercado. No entanto, cabe ao empresário analisar suas reais demandas, o tempo de ocupação da máquina e a complexidade da peça a ser conformada. Dessa forma, evita prejuízos e o investimento errado em um equipamento com valor desproporcional à taxa de ocupação na sua indústria”, conclui.

Ficou com alguma dúvida sobre o tema? Deixe sua mensagem nos comentários!

Ocultar comentários

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar