A Voz da Indústria faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

A alta do dólar e o ambiente tributário brasileiro: impactos para a indústria

Alta do dólar e impactos para a indústria brasileira
Confira um trecho do artigo especial do Dr. Eduardo Natal e baixe o whitepaper completo gratuitamente!

A lição de casa é grande, mas nunca foi tão necessária. Uma crise sanitária (COVID-19) assolou o mundo e nós, como nação, além de não conseguirmos nos articular internamente para reduzir os seus efeitos na saúde, sofreremos reflexos econômicos (impactos produtivos e operacionais) e financeiros (impactos quanto à falta de liquidez) no decorrer dos próximos anos.

E um dos reflexos imediatos é a perda do poder de compra da nossa moeda, o Real, frente ao Dólar. Não se nega que a apreciação do dólar nos últimos anos decorre de vários fatores, como, por exemplo, a guerra comercial entre EUA e China, a queda dos juros brasileiros (Selic), além da crise sanitária. Mas é importante ressaltar que fator de extrema relevância para esse descolamento do poder de compra do Real frente ao Dólar se deve ao ambiente de insegurança institucional sempre presente na América Latina, em especial no Brasil, o que prejudica o fluxo de capitais para o nosso continente e para o nosso país, acarretando a escassez de investimentos, notadamente na produção industrial.

No ambiente jurídico brasileiro, essa insegurança é ainda mais latente, pois convivemos há décadas com uma legislação exageradamente complexa e, bem por isso, confusa. E um dos principais fatores dessa desarticulação jurídica é a crise quanto aos limites do Sistema Federativo Brasileiro, que outorga poderes e autonomia a três classes distintas de entes estatais, União Federal, Estados e Municípios.

Em vista disso, o Sistema Federativo Brasileiro permite, em várias hipóteses a competência concorrente para diversos institutos jurídicos. Recente decisão do STF (ADPF 672), da lavra do ministro Alexandre de Moraes, demonstra esse dilema, ao ratificar a existência de “competência administrativa comum entre União, Estados, Distrito Federal e Municípios em relação à saúde e assistência pública, inclusive quanto à organização do abastecimento alimentar” . E no âmbito tributário essa complexidade é ainda maior, pois temos diversas competências outorgadas para a União, para os Estados e para os Municípios com vistas à instituição de enorme gama de tributos e contribuições. E, invariavelmente, esses tributos buscam materialidade em bases de incidência bastante similares, acarretando a superposição de incidências. 

Para continuar lendo, clique e baixe o conteúdo completo. 


Esse conteúdo é parte da Semana Digital FEIMEC, que acontece de 25 a 29 de maio. Se inscreva e confira outros conteúdos exclusivos gratuitamente! 

Semana Digital FEIMEC


Dr. Eduardo Natal

Eduardo Gonzaga Oliveira de Natal é sócio do escritório Natal & Manssur, Mestre em Direito do Estado – Direito Tributário – pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Pós-graduação em Direito Tributário pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/COGEAE). Pós-graduação em Direito Societário pela Fundação Getúlio Vargas (FVG/GVLAW). Especialista em Estratégias Societárias, Sucessórias e Tributação pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Sócio fundador do escritório há mais de 20 anos. Membro da Academia Brasileira de Direito Tributário (ABDT) e da International Bar Association (IBA). Autor do livro “A Dinâmica das Retenções Tributárias”

 

 


Baixe o artigo completo clicando no botão abaixo! 

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar