A Voz da Indústria faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

shutterstock_1705928083.jpg

[Entrevista] Presidente da UCIMU comenta cenário industrial italiano diante da COVID-19

Confira a entrevista completa com Massimo Carboniero sobre os impactos da pandemia no setor industrial italiano.

MCarboniero pres UCIMU logo 1.jpgConfira a seguir a íntegra da entrevista com Massimo Carboniero, presidente da UCIMU, associação italiana de máquinas ferramentas. 

Leia também: Perspectivas internacionais: como os EUA e a Itália estão reagindo aos impactos da COVID-19 

  1. Por suas características, a crise da COVID-19 afetou indústrias em todo o mundo. Quais foram os impactos no cenário italiano?

O impacto, sem dúvida, foi pesado. A Itália foi o primeiro país a enfrentar a emergência com poucas informações recebidas da China. Fomos o país de teste e o observado pelos outros países europeus para decidir o que fazer. No entanto, apesar do nosso exemplo, alguns países perderam um tempo precioso e levaram vários dias - e até semanas - para implementar uma estratégia apropriada para responder à pandemia.

Os efeitos dessa crise na indústria italiana de máquinas-ferramenta já foram parcialmente perceptíveis pelo índice de pedidos recebidos no primeiro trimestre de 2020, que mostrou uma queda de 11% em comparação com o período de janeiro a março de 2019. A desaceleração se mostrou forte para o mercado interno, onde os pedidos recebidos caíram 43%, e menores no mercado externo, onde houve uma redução de 4,4%. O efeito da crise foi, no entanto, mitigado pela boa tendência dos negócios nos dois primeiros meses do ano. Emergências e a quarentena começaram a nos afetar a partir de março. Portanto, o impacto dessa crise será evidente no próximo trimestre. Os fabricantes preveem uma queda de 20% a 30% no faturamento de 2020, mas esperamos uma recuperação a partir de 2021, ano em que a Itália sediará a EMO, a exposição mundial de referência para a indústria de transformação, que certamente trará muitas vantagens e estimulará o momento de recuperação.

  1. Quais foram as primeiras reações à crise executadas pelas indústrias na Itália?

Quando, no início de março, as autoridades do governo nos pediram para fechar temporariamente nossas fábricas, concordamos plenamente com isso, porque entendíamos a gravidade da situação. Usamos as primeiras semanas para nos organizar da melhor maneira, pensando em todas as medidas que poderíamos implementar para alcançar a mais alta segurança em nossas plantas. Em seguida, adotamos procedimentos e regras ainda mais rigorosas do que aqueles estabelecidos pelas autoridades de saúde competentes. Também, graças a investimentos extraordinários, equipamos nossas fábricas com organizações e ferramentas “especiais” que nos permitiriam abrir muito antes das nossas autoridades darem sinal verde.

Durante as cinco semanas de bloqueio, a atividade de produção quase parou. Por outro lado, também graças às tecnologias digitais, fomos capazes de garantir assistência remota para nossos clientes em todo o mundo. Para todas as atividades não relacionadas à produção e montagem, experimentamos com sucesso o trabalho inteligente. No entanto, o coração de nossos negócios foi interrompido até o início de maio. Foi um período muito longo que agora estamos tentando recuperar com muito esforço. Esta crise é pesada, mas as empresas italianas são muito flexíveis por natureza e assumiram o desafio de uma nova mudança. Estou certo de que os resultados serão positivos.

  1. Algum país ou região tinha um cenário que possa ser considerado mais bem preparado para esse tipo de crise? Que boas práticas podemos citar nesse sentido?

O que experimentamos prova que nenhum país estava preparado para enfrentar uma emergência desse tipo. Como mencionamos, a Itália foi um dos primeiros países a enfrentar essa crise, sem orientações precisas e, ao fazê-lo, certamente cometeu alguns erros, mas se comportou com grande seriedade. Sem dúvida, alguns aspectos poderiam ter sido mais bem gerenciados, mas devemos admitir que as autoridades tiveram que lidar com uma situação realmente muito difícil. Eu acho que a comunicação foi um dos aspectos que mais nos penalizou. Fomos erroneamente considerados como o país que contribuiu para a entrada do vírus na Europa e sua disseminação entre os países da UE. Na verdade, fomos os primeiros a alertar sobre o Covid-19, que já circulava em outros países há algum tempo. Esse aspecto nos penalizou fortemente. Agora, temos que trabalhar duro para recuperar nossa imagem e os dias de trabalho que perdemos. No entanto, como sempre, estamos confiantes e muito motivados para “voltar ao palco”.

  1. Como a tecnologia pode ajudar as indústrias de manufatura durante e após essa crise? É possível dizer que a COVID-19 acelerou os processos de transformação digital?

Esse período realmente particular certamente fez com que todos entendessem que, graças às inovações tecnológicas à nossa disposição, podemos mudar e melhorar os procedimentos de trabalho operacional. Também no setor de máquinas-ferramenta, a flexibilidade e as tecnologias inovadoras estão cada vez mais presentes, ajudando a avançar de maneira mais rápida e a atender aos novos requisitos de maneira mais reativa, além de facilitar o controle remoto e o gerenciamento dos processos de negócios e produção. Todo o trabalho realizado na Indústria 4.0 mostrou seu valor e eficácia nessa situação. Há muito o que fazer e, mesmo neste caso, a emergência prova como a questão da digitalização é essencial para o nosso setor e para o nosso trabalho. Nós, fabricantes italianos, fizemos grandes investimentos no desenvolvimento de máquinas e soluções baseadas em tecnologias 4.0 e isso tornou nosso produto ainda mais competitivo no mercado internacional. Também diante dessa má experiência, seguiremos nessa direção, com a certeza de que o mercado nos seguirá.

  1. Indústrias que já estavam mais adiantadas na aplicação dos conceitos de indústria 4.0 terão menos dificuldades para passar por esse momento incerto? Quais fatores serão decisivos para a retomada da produção industrial no mundo?

Certamente, as empresas que utilizam tecnologias 4.0 tiveram mais facilidade ao enfrentar este momento tão particular. No entanto, a emergência do Corona vírus nos fez entender o quanto é importante atualizar não apenas máquinas, mas também métodos de gerenciamento e organização dentro de uma empresa, de acordo com a abordagem da digitalização. Todas as empresas devem trabalhar nisso no futuro próximo.

  1. O que é possível esperar dos próximos anos da indústria mundial?

Nos últimos anos, a globalização se tornou realidade para aqueles que operam na indústria de transformação, mas também no comércio. Agora, a emergência de saúde nos obriga a refletir sobre uma nova interpretação sobre o conceito de globalização que está presente em todos os campos de nossa vida cotidiana. Ainda não sabemos como o mundo vai evoluir. No entanto, temos certeza de que nós, fabricantes italianos de máquinas-ferramenta, continuaremos trabalhando no mercado internacional, vendendo em mercados próximos e distantes, tradicionais e emergentes. Afinal, nosso expertise é reconhecido em todo o mundo e nos permite participar das cadeias globais de produção dos principais setores, como automotivo, aeroespacial, energia, mas também as indústrias mecânica e de engenharia. Também neste período de grande complexidade, apesar da interrupção de nossas atividades, não experimentados nenhuma a exclusão das cadeias produtivas.

  1. Qual será o legado dessa crise para a indústria?

Essa experiência nos ensinou que devemos estar prontos para reorganizar, também fazendo mudanças extensas em relação à nossa maneira de gerenciar negócios em um tempo muito curto. Além disso, aprendemos que ninguém está a salvo de crises dessa extensão, independentemente da posição geográfica e do grau de desenvolvimento do país em que vive e opera. Além disso, os investimentos em pesquisa e desenvolvimento no campo científico e técnico representam a chave para garantir o futuro e o desenvolvimento da sociedade. E nós somos os principais jogadores neste campo!


Massimo Carboniero é graduado em Business Economics na University Ca’ Foscari in Venice, Economics and Commerce Faculty. É CEO e co-owner da OMERA, líder no setor de manufatura de máquinas-ferramenta. Managing Director da FAIB, especializado em manufatura para o setor automotivo. Desde junho de 2016, é presidente da UCIMU, associação italiana de máquinas-ferramenta. 

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar