Indústria 4.0 by TOTVS

Como é um time do chão de fábrica na Indústria 4.0?

Entenda qual será o perfil do novo profissional da Indústria 4.0 e como as novas tecnologias vão afetar as vagas de trabalho

Com a implementação da Indústria 4.0, muitas mudanças vão ocorrer nos negócios. Mais produtividade, decisões baseadas em dados, agilidade e redução de custos são apenas algumas delas.

No entanto, um ponto tem preocupado bastante, principalmente os trabalhadores: como ficarão os empregos com esse novo cenário?

Saiba que se engana quem acredita que a Indústria 4.0 vai ocasionar uma demissão em massa e sem volta. O que vai acontecer é uma mudança no papel dos funcionários, especialmente no time do chão de fábrica.

Quer entender melhor como serão as tarefas humanas na Indústria 4.0? Acompanhe!

Indústria 4.0 e o emprego

Toda mudança significativa gera medo e incertezas, e, com a alta adesão da tecnologia pelas indústrias, não poderia ser diferente. Mas será que a Indústria 4.0, realmente, é um caminho sem volta para o fim do trabalho humano?

“Passamos por três revoluções e esta mesma preocupação ocorreu nestes momentos. Mesmo com tudo isso, ainda estamos aqui. Quais empregos existiam há 20 anos e que não existem mais hoje? E quais não existiam e hoje existem? O mercado acaba se adaptando desde sempre. O que conseguimos observar como tendência é que o trabalho mais operacional está desaparecendo, porém, atividades que envolvem maior qualificação estão surgindo”, esclarece o Prof. Dr. Douglas Rafael Veit, coordenador do curso de Gestão da Produção Industrial da Unisinos (Universidade do Vale do Rio dos Sinos).

Para o professor, o desemprego pode chegar por duas vias.“Se utilizarmos as tecnologias da Indústria 4.0, as atividades operacionais tendem a desaparecer. Porém, se não implantarmos as tecnologias, outros o farão, ficando mais competitivos e tomando para si fatias maiores do mercado”.

Com isso, as empresas que não implementarem as tecnologias da Indústria 4.0 ficarão menos competitivas, e a consequência será uma perda significativa do mercado, acarretando em desemprego.

Esta segunda via é ainda pior, pois quando a empresa se der conta, terá que adquirir, se apropriar da tecnologia, aprender, produzir e reconquistar seus clientes, o que pode não ser viável no curto prazo“, completa Veit.

O profissional do futuro

Nesse cenário, é importante reforçar que a Indústria 4.0 exige uma mudança no papel e nos conhecimentos das pessoas – e isso vale também para o time do chão de fábrica.

“Cada vez mais, a formação terá de ser interdisciplinar. O profissional que vai trabalhar com todas as tecnologias da Indústria 4.0 deve ter noções básicas de automação, mecânica, elétrica, robótica, simulação, ou seja, deve sobrevoar por todas as tecnologias”, alerta o professor.

Veit complementa ao dizer que essa visão interdisciplinar não é sinônimo de precisar se tornar um especialista. Os profissionais deverão conhecer as tecnologias, suas funcionalidades e usos.

“As tecnologias não podem ser utilizadas apenas por modismo, elas devem trazer resultado para a organização. Isso é o mais relevante: a tomada de decisão rápida e precisa, escolhendo de maneira correta as tecnologias que mais fazem sentido para cada realidade específica, é o diferencial para o profissional da Indústria 4.0”.

Relação de investimentos X empregos

Outro ponto para refletir quando o assunto é a Indústria 4.0 e o novo papel dos profissionais está relacionado aos investimentos necessários para adotar a mudança. As novas tecnologias são muitas e, na maioria das vezes, caras.

Grande parte das nossas empresas tem investimentos limitados, o que torna ainda mais importante o papel do profissional que irá escolher uma ou um conjunto de tecnologias”, complementa o professor.

Além dessa competência primordial para colaborar com a transição, as empresas também precisam se alertar para outro fator igualmente importante. As competências demandadas para trabalhar na Indústria 4.0 são muito novas – e isso significa que há poucos, e caros, profissionais no mercado.

Nesse sentido, treinar e capacitar a equipe atual é muito mais vantajoso do que a demissão em massa para recontratar. Por isso, é fundamental que tanto as empresas quanto os colaboradores comecem a se preparar desde já.

E você, como acha que vai ser o novo perfil de profissional da Indústria 4.0? Compartilhe as suas impressões com a gente nos comentários e até a próxima. 

Totvs_voz da industria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *