Gestão

Como escolher um software de gestão para a indústria metalmecânica?

Atualmente, mesmo uma indústria de pequeno porte gera uma quantidade de informações difícil de ser gerenciada de forma manual, ainda mais em um mundo tão globalizado como o nosso, onde a demanda por comunicação é enorme.

É aí que surge a necessidade de utilização de softwares de gestão capazes de melhorar os processos internos de uma empresa.  Afinal, administrar um negócio sem a ajuda deles é como guiar um carro sem faróis em uma noite de chuva.

O mercado, é claro, possui diversos softwares de gestão que atendem aos mais diferenciados nichos empresariais, mas cabe ao gestor da indústria metalmecânica conhecer todas as possibilidades oferecidas pelos programas disponíveis para não ter desilusões após a aquisição.

Ainda é bastante comum empresários acharem que o software A ou B resolverá todos os problemas de sua organização apenas porque tais soluções têm nome e reputação. A verdade é que se deve buscar o máximo possível de informações sobre o recurso e solicitar o suporte pré-venda para que o investimento não seja frustrante.

Um bom ERP (Enterprise Resource Planning, em português, Sistemas de Gestão Empresarial) direcionado para o setor industrial oferece inúmeras vantagens, como facilidade na organização e no acompanhamento dos processos, aumento da produtividade e tomada de decisões de forma mais precisa.

Confira, portanto, algumas dicas sobre como escolher o melhor software de gestão para a indústria metalmecânica.

A escolha de um bom software de gestão

O primeiro passo a ser dado antes de partir para a escolha é entender exatamente as funções que o software em questão é capaz de executar e questionar ao suporte pré-venda se o programa atende às demandas relacionadas às necessidades da indústria.

Essa é uma tarefa que não pode ser superficial, pois muitos gestores acham que uma boa conversa em apenas uma reunião, com uma simples apresentação de PowerPoint, esclarecerá todos os tópicos inerentes à implantação.

Quando se busca uma implantação de software de gestão, deve haver um contato entre o suporte da solução e todo o corpo tecnológico da organização, para que sejam sanadas todas as dúvidas a respeito das demandas da empresa – isso evita muitos problemas já no curto prazo.

“Certa vez, participei de uma implantação de software e, a princípio, ele serviu perfeitamente, pois tínhamos apenas uma unidade fabril, contendo o escritório de administração. Um ano depois, quando a diretoria resolveu instalar o escritório fora da unidade fabril, descobrimos que o software que, até então, era ótimo, não funcionava tão bem diante da necessidade de integrar duas ou mais unidades de trabalho separadas fisicamente”, afirma Rodrigo Schimidt Miranda, professor do Centro Universitário ENIAC.

De acordo com o especialista, os problemas que a situação gerou foram tão grandes que a direção da empresa resolveu zerar todos os trabalhos de implantação e recomeçar com um novo software de gestão que atendia à nova demanda. Não é necessário dizer que o custo financeiro foi enorme, sem falar do desgaste corporativo, pois demandou novos treinamentos e metodologia de trabalho.

Aspectos a serem considerados na escolha do software de gestão

O gestor da indústria precisa saber quais são os caminhos que sua organização tomará no médio e longo prazo, pois isso também influenciará na aquisição do software de gestão, já que ele deverá acompanhar a expansão da empresa, oferecendo a possibilidade de, também, se expandir, caso necessário.

A velha máxima de que sempre deve-se gastar horas de planejamento agora para, no futuro, não gastar tempo tentando arrumar algo que não foi planejado, funciona perfeitamente neste caso. Conforme afirma o professor da ENIAC, facilidade e integração são duas palavras-chaves que ajudam tanto o cliente quanto o desenvolvedor, seja na implantação ou na operação, geração e busca de informações imprescindíveis (KPI) e demais indicadores.

Quanto mais fácil de utilizar for o ERP, menor será  a resistência gerada na sua implantação e operação, pois, a adoção de um novo sistema causa, naturalmente, desconforto entre os colaboradores, até que todos se acostumem e entendam que a mudança trará melhorias para sua rotina e favorecerá o sucesso da indústria.

Quanto à integração, é importante lembrar de que o ERP não serve apenas para controlar a empresa – a principal característica é fazer com que todos os processos da organização interajam entre si e criem a maior e melhor sinergia possível. Ou seja: todos devem olhar e caminhar no mesmo sentido, melhorando o fluxo produtivo e gerando fluidez nos processos. Isso também faz parte da filosofia da melhoria contínua.

Quer saber mais sobre como a implantação de tecnologias pode favorecer o crescimento da sua indústria metalmecânica? Continue acompanhando o nosso canal de conteúdo e até a próxima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *